Rinoplastia

Nome técnico: rinoplastia

Parte do corpo: nariz

Idade recomendada: a partir dos 15 anos

Anestesia: geral (na maioria dos casos)

Duração da cirurgia: 3 horas (em média)

Permanência na clínica: curta (dependendo do tipo de anestesia e do conforto do paciente)

Cicatriz: em alguns casos, pode ser necessário fazer um pequeno corte para acessar o nariz (via aberta) e uma pequena cicatriz externa pode ficar visível por um período

Pré-operatório: além das consultas, são realizados os exames de laboratórios e as fotos para o arquivo fotográfico

Pós-operatório: é necessário ficar 7 dias com placa gessada ou de material plástico no local operado

Tempo de recuperação: de 10 a 15 dias

Onde fazer rinoplastia em Florianópolis: com um médico especialista, em uma clínica de referência

Rinoplastia ou plástica do nariz é a cirurgia para a correção das imperfeições estéticas ou funcionais do nariz. O procedimento deve ser realizado por um médico com formação cirúrgica adequada. O Dr. Zanini, por exemplo, é um médico otorrinolaringologista, associado à Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face (ABCPF), que realiza rinoplastias em Florianópolis.

Tipos de rinoplastia

Existem dois tipos principais de rinoplastia: estética e funcional. A partir delas, há diversos subtipos — lembrando que a escolha da técnica empregada (aberta ou fechada, entre outras) varia conforme o tipo de nariz e as necessidades dos pacientes.

Rinoplastia estética

A rinoplastia estética pode ser redutora (técnica mais realizada), de aumento, de harmonização do dorso nasal (giba), de correção da columela (fenda entre as narinas) ou uma cirurgia para levantar a ponta nasal, por exemplo. Independentemente do objetivo, o importante é que o resultado fique o mais natural e harmônico possível.

Rinoplastia funcional

A rinoplastia funcional é voltada para a correção de distúrbios decorrentes de doenças respiratórias, problemas congênitos ou traumas faciais. E se houver desejo por parte do paciente, ela pode ser associada à rinoplastia estética — como no caso da rinosseptoplastia e da cirurgia de correção da hipertrofia dos cornetos.

Rinoplastia secundária

A rinoplastia secundária (ou revisional) é a cirurgia feita para corrigir algum problema, ocorrido na primeira intervenção no nariz ou no respectivo pós-operatório, que tenha prejudicado a forma e/ou a função nasal. Eventualidades, como traumas que, porventura, comprometem o nariz, também podem levar à necessidade de uma cirurgia revisional.

Rinoplastia étnica

A rinoplastia étnica é realizada para suavizar traços étnicos muito marcantes, mas sem jamais descaracterizar o paciente. A cirurgia costuma ser realizada em narizes do tipo:

  • caucasiano, os quais têm a cartilagem e o dorso mais fortes, com a ponta projetada e caída;

  • negroide, os quais apresentam a cartilagem mais fraca e as asas nasais mais largas;

  • mistos, os quais têm influência dos tipos caucasiano e negroide.

Rinoplastia pós-traumática

A rinoplastia pós-traumática (ou reconstrutiva) é indicada quando o paciente sofreu algum trauma facial que gerou alguma deformidade ou comprometeu a função do nariz. Além disso, também é realizada para corrigir malformações congênitas.

É importante lembrar que todo o procedimento médico possui um risco variável e não seria diferente com os procedimentos de cirurgia plástica. Por isso, o ideal é sempre buscar minimizar os riscos fazendo uma boa preparação antes da realização da cirurgia.

Para ajudar, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica preparou uma lista com os possíveis riscos associados à rinoplastia. Confira:

  • ruptura de pequenos vasos no nariz

  • assimetrias e desvios severos da ponta nasal

  • cicatrizes desfavoráveis

  • sangramento (hematoma)

  • infecção

  • riscos anestésicos

  • má cicatrização

  • dormência ou demais alterações de sensibilidade na pele

  • despigmentação da pele e/ou inchaço prolongado

  • dificuldades respiratórias, por conta de alterações na via aérea nasal, podendo interferir na passagem normal de ar pelo nariz

  • perfuração do septo nasal, implicando na necessidade de um tratamento cirúrgico adicional para reparar o local — sendo que, em alguns casos, pode ser impossível corrigir esta complicação

  • comprometimento das válvulas nasais internas, levando à obstrução nasal a longo prazo e problemas associados (como apneia, má qualidade do sono, entre outros)

  • dor, que pode perdurar

  • fios de suturas podem, espontaneamente, emergir na pele, tornando-se visíveis ou produzir irritação que exijam sua remoção

  • complicações cardíacas, trombose venosa profunda e embolia pulmonar, um dos riscos de qualquer cirurgias plásticas, ainda que seja bastante raro em rinoplastias

  • possibilidade de necessitar de um novo procedimento cirúrgico (rinoplastia revisional).

Algumas medidas prévias fazem toda a diferença no sucesso do procedimento. Para auxiliá-lo no processo de preparação para a cirurgia, confira as principais recomendações pré-operatórias:

  1. Obedecer às instruções dadas para a internação

  2. Comunicar qualquer anormalidade que, porventura, ocorra, quanto ao seu estado de saúde geral.

  3. Na eventualidade de se optar pela anestesia geral, comparecer ao centro cirúrgico “em jejum absoluto” de, no mínimo, 8 horas e não trazer objetos de valor para o hospital.

  4. Ir acompanhada para a internação.

  5. Evitar uso de brincos, anéis, alianças, piercings, esmaltes coloridos nas unhas etc.

Não é porque a cirurgia já passou e tudo correu conforme o planejado que é permitido se descuidar. Nos primeiros dias, os cuidados devem continuar em casa. Assim, confira algumas recomendações pós-operatórias indispensáveis:

  1. Evitar tomar sol, vento ou friagem no rosto na primeira semana.

  2. Trocar o tampão externo tantas vezes quanto for necessário.

  3. Tomar cuidados com o gesso ou o imobilizador, para não traumatizar o curativo e evitar a umidade.

  4. Obedecer à prescrição médica.

  5. Retornar ao consultório nos dias e horários indicados.

  6. Não se preocupar com as narinas obstruídas, caso esteja usando tampões.

  7. Evitar o sol no rosto por, pelo menos, doze semanas.

  8. Não usar óculos (de grau ou de sol), até que seja autorizado (a). Caso a utilização seja imprescindível, solicite ao seu médico a orientação de como proceder adequadamente.

A rinoplastia deixa cicatrizes?

Certos narizes permitem que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos, não haverá cicatriz aparente. Em outros casos, entretanto, existem cicatrizes externas pouco aparentes, como conseqüência de incisões (cortes) feitas na columela ou nas asas nasais feitas para se harmonizar melhor o resultado ou mesmo a fisiologia nasal.

Cada paciente comporta-se diferentemente do outro em relação à evolução das cicatrizes e no caso específico do nariz, geralmente tornam-se imperceptíveis. Certos pacientes podem, no entanto apresentar tendência à cicatrização inestética (hipertrófica ou quelóide). Este fato deverá ser discutido na consulta inicial, bem como suas características familiares. Pessoas de pele clara tendem a desenvolver menos este tipo de cicatrização.

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. A cicatriz hipertrófica ou quelóide, não devem ser confundidas, entretanto, com a evolução cicatricial deverá ser esclarecida durante seus retornos pós-operatórios, quando pode se fazer a avaliação da fase em que se encontra.


Existe correção para cicatrizes hipertróficas?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, o “período mediato” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês ) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico.


Poderei escolher, para o meu futuro nariz, a forma que eu desejar

Não. Existe um equilíbrio estético entre o nariz e a face, equilíbrio este que o cirurgião deve observar, a fim de preservar a autenticidade e a naturalidade dessa face. A qualidade da pele do nariz também poderá influenciar no prognóstico do resultado almejado. Cada caso é estudado, a fim de que se possa dar ao nariz a melhor forma possível, dentro das exigências da face. Se a sua escolha coincidir com aquele tipo de nariz planejado, sem dúvida seu desejo será atendido. Cirurgião e paciente deverão estar de acordo com o resultado possível de se obter. Além disso, o nariz tem inúmeras funções, dentre elas a respiração e a olfação, que precisam ser respeitadas.


Como ficará minha respiração após a cirurgia?

A Rinoplastia visa melhorar as condições estéticas e, quando necessário, corrigir algumas alterações respiratórias do paciente, quando estas condições são precárias no nariz original. Poderá haver pequena dificuldade respiratória, em certos períodos do dia, no pós-operatório imediato. Com o decorrer do tempo tende a normalizar-se. Quando a correção do septo se faz necessária, a rinoplastia poderá ser feita simultaneamente.


Sofro de coriza constante. Poderá a cirurgia estética aliviar-me deste sofrimento?

A ação da cirurgia sobre este sintoma é imprevisível. O importante é que se tente ao máximo a preservação das funções respiratórias na rinoplastia.


Por quanto persiste o resultado obtido?

O resultado de uma rinoplastia persiste por longo tempo. Após alguns anos, como em qualquer parte do organismo, poderão ocorrer algumas manifestações morfológicas na região nasal, decorrente da idade do paciente.


Qual o tipo de anestesia que se usa para este tipo de operação?

Tanto a anestesia local sob sedação quanto a geral poderá ser utilizada. Ficará a critério de a equipe cirúrgica indicar a mais conveniente.


Quanto tempo demora o ato cirúrgico?

Entre duas a três horas. Em alguns casos este tempo é ultrapassado. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total


Qual o tempo de internação?

Poderá variar de meio período até um dia de internação. Dependendo do tipo de anestesia utilizada e da recuperação do paciente no pós-operatório imediato.


São utilizados curativos?

Quando se realiza o procedimento de fratura, o nariz é mantido imobilizado com gesso ou aquaplast seguido de esparadrapagem mais uma semana.


O nariz sangra nos primeiros dias?

Existe um pequeno sangramento, que é normal nas primeiras 48 horas. Isto, entretanto, não deverá ser motivo de preocupação, pois um curativo de proteção, sobreposto a abertura do nariz, é conservado propositadamente, a fim de higienizar esse sangramento. Esse curativo adicional poderá ser trocado em casa, tantas vezes quanto necessário.


Há dor no pós-operatório?

Raramente. A rinoplastia apresenta pós-operatório geralmente confortável. Quando ocorrer uma eventual dor, esta é usualmente combatida com analgésicos, comuns.


Em que posição deverei dormir, nos primeiros dias?

Sempre com a cabeça discretamente elevada do leito (travesseiro). Manter-se com a face voltada para cima, sempre que possível.


Quando poderei tomar sol?

Enquanto houver manchas equimoses, é aconselhável que se evite a exposição solar e uso de óculos por pelo menos 30 dias.


Qual a evolução pós-operatória?

Até que se atinja o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Assim é que edemas (inchaço), “manchas” de infiltrado sanguíneo, dificuldade respiratória nos primeiros dias, são comuns e alguns apresentam estes fenômenos com menor intensidade que outros. Toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião plástico. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia estética do nariz deverá ser avaliado antes do período compreendido entre o 6º e 12º. Mês pós-operatório.


Existe correção para cicatrizes hipertróficas?

Existem vários recursos clínicos e cirúrgicos que possibilitam melhorar tais marcas inestéticas. Mas esse tipo de indicação só pode ser considerado na época adequada.

Isso porque, não se deve confundir o “período mediato” da cicatrização normal (que vai do 30º dia até o 12º mês) com uma complicação cicatricial (cicatriz hipertrófica ou queloide).

Qualquer dúvida a respeito da evolução deverá ser esclarecida com o médico. Durante os retornos pós-operatórios, pode-se fazer a avaliação da fase exata em que cada paciente se encontra.


O resultado definitivo da rinoplastia em relação à forma e função é imediato?

Não. O pós-operatório da cirurgia no nariz é composto por várias fases. Logo após a retirada do curativo imobilizante, por volta do 7º dia, já é possível notar a correção de boa parte dos defeitos estéticos, cerca de 80%. Porém, o resultado definitivo da rinoplastia leva mais tempo, pois os hematomas e, principalmente, o inchaço na área, demoram para diminuir. Em média, o edema só desaparece, por completo, entre 6 meses e 1 ano após a cirurgia.

Resultado da rinoplastia em relação à estética

Em relação à recuperação ligada à correção estética, existem pacientes que atingem o resultado esperado um pouco antes da média. Outros, no entanto, podem ultrapassar o período estimado.

Por isso, de nada adianta pedir que seu cirurgião indique uma data exata para chegar ao formato definitivo. O que o profissional tem condição de prever é o período estimado, com base nos tipos de técnicas empregadas, no quadro clínico do paciente e nos cuidados seguidos no pós-operatório.

Certas pessoas têm receio de que o inchaço prolongado possa levar à alguma complicação. No entanto, a persistência do edema transitório por um período mais longo, geralmente, não interfere em nada no resultado da rinoplastia.

Há aqueles que, simplesmente, têm tendência a demorar mais para desinchar. Além das técnicas cirúrgicas e condições clínicas individuais, o edema varia, inclusive, em função da estação (piorando no verão). Por isso, no decorrer dos meses após a cirurgia, é preciso ter paciência.

Resultado da rinoplastia em relação à função nasal

Em relação à recuperação das funções nasais, ou seja, o reestabelecimento das capacidades do olfato e da respiração após a cirurgia, o cenário também depende do tipo de técnicas empregadas. Ainda que, na rinoplastia estética, não devam ocorrer interferências na capacidade respiratória, na rinoplastia funcional a recuperação é diferente.

De maneira geral, no pós-operatório imediato é comum sentir um pouco de desconforto ao respirar. Complicações como sinéquia (obstrução nasal), rinorreia (escorrimento de líquido pelo nariz), prejuízos ao ducto nasolacrimal, entre outras, também podem ocorrer, ainda que sejam mais raras.

Porém, o incômodo passa em poucos dias. A maior rapidez na recuperação ocorre, principalmente, se houver o emprego de tecnologias avançadas, como as utilizadas na cirurgia endoscópica nasal, e de técnicas minimamente invasivas, como nas rinoplastias executadas por via fechada.

Resultado da rinoplastia com o passar do tempo

Outra dúvida muito comum entre os pacientes é o tempo de permanência do resultado da rinoplastia. Apesar de durar bastante, com o avanço da idade podem ocorrer algumas manifestações morfológicas na região nasal — aliás, como em qualquer parte do organismo.

E ainda existem os casos em que, passado o primeiro ano, o resultado da rinoplastia ficou aquém do esperado. Para esses pacientes, é possível indicar a rinoplastia secundária. Nesse tipo de procedimento, o especialista busca corrigir os desvios estéticos e funcionais que não foram resolvidos, satisfatoriamente, na primeira cirurgia.

Mas não se preocupe: quando o paciente recorre, desde o início, a um profissional experiente e atualizado, o risco de precisar de uma rinoplastia revisional é quase inexistente. No entanto, não se deixe levar por simulações de resultados feitas em programas de computador. Por mais impressionantes que sejam, essas imagens nunca podem prever, exatamente, como será a aparência final do procedimento.

Fatores que interferem no resultado da rinoplastia

Portanto, quanto mais criteriosa for a escolha do médico, melhor. Além de pedir indicações para conhecidos, verifique se o profissional é afiliado à Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face (ABCPF), entidade que reúne otorrinolaringologistas especializados em cirurgias plásticas faciais.

Outro ponto importante: ao longo das consultas pré-operatórias, prepare-se para a cirurgia tanto física como psicologicamente. Converse bastante com seu médico, explique suas motivações, esclareça todas as dúvidas e evite criar falsas expectativas.

Nesse período, o especialista costuma alinhar os desejos do paciente à realidade. Certamente, ele também irá abordar quando o resultado definitivo da rinoplastia deverá aparecer.

Para concluir, após a cirurgia é preciso ter paciência e equilíbrio emocional para aceitar os alcances e os limites do procedimento. Se a ansiedade for muita, vale a pena considerar a ajuda de um acompanhamento psicológico.

Se você pretende fazer esse tipo de cirurgia, informe-se, encontre um bom especialista e siga em frente. Ao esperar o resultado definitivo da rinoplastia com paciência, você desfrutará ainda mais dos benefícios para a autoestima, bem-estar e qualidade de vida consequentes do procedimento!

Precisa esclarecer alguma dúvida específica sobre a sua rinoplastia? Agende sua consulta por e-mail ou WhatsApp com o Dr. Fábio Zanini em Florianópolis!


Há risco na cirurgia plástica no nariz?

O risco na cirurgia plástica no nariz é variável, como em todo ato médico. Partindo do pressuposto que haja a correta indicação do procedimento, pode-se minimizá-lo por meio do domínio das técnicas, por parte do especialista, e do respeito às orientações no pré e no pós-operatórias, por parte do paciente.

Dessa forma, os únicos inconvenientes tendem a ser o inchaço, pequenos hematomas e obstrução nasal nos primeiros dias. No entanto, se os cuidados não forem tomados, a lista do que pode dar errado em uma rinoplastia é extensa.

Neste artigo, mostramos qual postura é preciso adotar para minimizar os riscos cirúrgicos — ainda que não seja possível eliminá-los completamente. Continue a leitura e veja quais fatores que fazem a diferença no sucesso de uma rinoplastia!

Quais são os riscos na cirurgia plástica no nariz?

Considerando que o paciente realmente precise de uma rinoplastia, o especialista deve convencê-lo de que não é possível escolher um formato aleatoriamente. Preservar o equilíbrio estético entre o nariz e o restante da face é essencial para evitar desproporções que tanto prejudicam a naturalidade do resultado.

Tempos atrás, era relativamente comum ver famosos que recorriam ao procedimento para afinar seus narizes demasiadamente, ficando irreconhecíveis. Ainda bem que, hoje em dia, tanto médicos como pacientes estão mais conscientes quanto ao limite das intervenções.

Dito isso, outros possíveis riscos associados a uma rinoplastia mal executada são:

  • assimetrias e desvios severos da ponta nasal, devido à má estruturação da cartilagem, em casos que exigiam o emprego da técnica estruturada;
  • dificuldades respiratórias, por comprometimento das válvulas nasais internas, levando à obstrução nasal a longo prazo e problemas associados (como apneia, má qualidade do sono, entre outros);
  • trombose venosa profunda e embolia pulmonar, um dos riscos de qualquer cirurgias plásticas, ainda que seja bastante raro em rinoplastias.

O que pode dar errado em uma rinoplastia?

Uma imperícia médica pode fazer com que o resultado da rinoplastia não fique como o pretendido. Ignorar as recomendações do médico, principalmente no pós-operatório, também eleva o risco de surgirem problemas — especialmente os relacionados à cicatrização (formando as indesejadas cicatrizes hipertróficas).

Uma infecção na região nasal, dependendo da gravidade, é outro elemento que pode comprometer o resultado da intervenção original. E existem, ainda, as fatalidades, como acidentes (de trânsito, durante as práticas esportivas, entre outros).

Caso algo saia diferente do previsto, pode ser necessário recorrer a outra cirurgia, para corrigir os eventuais danos. Trata-se da chamada rinoplastia revisional.

No entanto, submeter-se a um novo procedimento, geralmente, implica em maiores limitações em relação aos alcances cirúrgicos, devido à existência de tecidos fibrosos ou pouco apropriados para a intervenção. Já quando a cirurgia revisional se mostra viável, ela exige ainda mais cuidados por parte do paciente do que na primeira vez.

Como minimizar os riscos da rinoplastia?

Consulte um especialista. Médicos otorrinolaringologistas com especialização em rinoplastia entendem profundamente tanto da parte estética como das funcionalidades do nariz.

Verifique também se o profissional é filiado a associações médicas, como a Academia Brasileira de Cirurgia Plástica e da Face (ABCPF). Além disso, prefira médicos que ouçam sua vontade, que escutem tudo o que você tem a dizer. Experiência e formação são tão importantes quanto inspirar confiança!

Por fim, quem passa por todo esse processo com segurança, profissionalismo e responsabilidade pode desfrutar dos benefícios do procedimento na saúde, qualidade de vida e na autoestima. Afinal, uma cirurgia bem feita pode transformar a vida do paciente.

Um estudo publicado na Revista Brasileira de Cirurgia Plástica (RBCP) constatou um alto índice de satisfação global para com o resultado da rinoplastia. Esteticamente, 88,3% dos pacientes disseram estar satisfeitos; funcionalmente, foram 83,3%. Quanto à impressão de terceiros sobre o novo aspecto nariz, 93,3% afirmaram se sentir muito ou totalmente contentes.

Então já sabe: busque um bom especialista e siga as recomendações. Essa é a melhor e mais simples maneira de reduzir os riscos na cirurgia plástica no nariz. Não se deixe levar pela pressa e lembre-se de que as exigências não servem apenas para dar “trabalho”, mas são etapas necessárias para um resultado plenamente satisfatório.

Assim, se desejar fazer uma rinoplastia, seja por razões estéticas e/ou funcionais, tome todos os cuidados mencionados. Caso resida em Florianópolis ou tenha disponibilidade para visitar a cidade, agende uma consulta com o Dr. Zanini e faça uma avaliação individual!


Conheça a rinoplastia associada à correção da hipertrofia dos cornetos

Quem precisa fazer uma cirurgia para corrigir um problema funcional no nariz, geralmente, também aproveita para realizar melhorias estéticas.

A associação de procedimentos, desde que haja indicação, é perfeitamente possível. Para atender a essa tendência, há diversos tipos de cirurgias de nariz.

No caso da rinoplastia associada com a cirurgia corretora de hipertrofia de cornetos, especificamente, objetiva-se desobstruir a respiração do paciente e, ao mesmo tempo, melhorar a harmonia facial. Neste artigo, reunimos as principais informações sobre o tratamento.

Continue a leitura e esclareça suas dúvidas!

O que é a hipertrofia dos cornetos?

Os cornetos, também chamados de conchas nasais ou de carne esponjosa, são estruturas ósseas revestidas por mucosas e localizadas nas laterais das paredes internas do nariz. Eles têm a função de umidificar e aquecer o ar inspirado (frio e, muitas vezes, seco) antes dele seguir para o restante das vias aéreas — o que é essencial para uma respiração adequada.

Em cada cavidade nasal existem três cornetos: superior, médio e inferior. A hipertrofia, ou seja, o aumento exagerado dessas estruturas, geralmente, se dá nos cornetos inferiores, devido a fatores anatômicos (como desvio de septo contralateral), alérgicos (como rinites), irritativos (como poluição do ar), entre outros.

Fonte: Wikimedia Commons.

Estima-se que a hipertrofia dos cornetos seja a principal causa da obstrução nasal crônica em adultos. Isso vale para pessoas com idades entre 20 e 60 anos de idade.

Tipos de hipertrofias dos cornetos

A hipertrofia dos cornetos pode ser óssea com a mucosa normal ou óssea com a mucosa aumentada. No primeiro caso, trata-se de um distúrbio decorrente de um desenvolvimento anômalo ou traumático. No segundo, geralmente o problema tem origem em processos inflamatórios.

Graus de hipertrofia dos cornetos

Para chegar ao diagnóstico, além da anamnese aprofundada, o otorrinolaringologista realiza uma endoscopia nasal após uso de um vasoconstritor tópico. Após a observação, a hipertrofia dos cornetos pode ser classificada em:

  • hipertrofia de grau 1, quando o(s) corneto(s) ocupa(m) até 25% da(s) cavidade(s) nasal(is);
  • hipertrofia de grau 2, quando o(s) corneto(s) ocupa(m) de 25% a 50% da(s) cavidade(s) nasal(is);
  • hipertrofia de grau 3, quando o(s) corneto(s) ocupa(m) de 50% a 75% da(s) cavidade(s) nasal(is).

Quais são os possíveis tratamentos?

A escolha do tratamento depende do grau de acometimento. Por exemplo, em hipertrofias de grau 1 ligadas à rinite alérgica, o tratamento medicamentoso, por via oral ou local (intranasal), costuma ser suficiente.

Em outros casos, considerados de gravidade leve à média, pode-se indicar a cauterização dos cornetos. Esse tipo de procedimento é feito com um bisturi elétrico, em centros cirúrgicos, e pode ser associado à rinoplastia.

Já em casos moderados a graves, realiza-se a ressecção parcial dos cornetos (remoção das partes aumentadas), por meio de uma turbinectomia parcial por endoscopio. Independentemente da técnica, esse tipo de cirurgia também costuma ser feito juntamente com a rinoplastia.

Como a rinoplastia para hipertrofia dos cornetos pode ajudar?

Se a obstrução nasal contínua for, comprovadamente, causada pela hipertrofia dos cornetos e houver indicação para o tratamento cirúrgico, pode-se recorrer à rinoplastia funcional. Esse tipo de procedimento corrige não apenas a parte estética, mas também as alterações funcionais do nariz.

A rinoplastia para hipertrofia dos cornetos é indicada quando, além da necessidade de facilitar a passagem do ar, existe o paciente que tem desejo de aprimorar a forma nasal. Trata-se de um procedimento realizado, preferencialmente, por otorrinolaringologistas com especialização em rinologia.

Já quando a hipertrofia dos cornetos é decorrente de um problema de desvio de septo, muitas vezes, após a rinosseptoplastia o tamanho dessas estruturas volta ao normal. No entanto, em certos pacientes a regressão natural não é possível, como quando há uma hipertrofia de grau 3 ou calcificação da estrutura. Nesses casos, a rinosseptoplastia precisa ser combinada à ressecção parcial dos cornetos.

Para quais casos a associação dos procedimentos é indicada?

Se não tratada, a hipertrofia dos cornetos pode dificultar ou impedir a respiração nasal. Isso gera inúmeros prejuízos à saúde, como desalinhamento dental, má qualidade do sono, dificuldade para manter a atenção, queda na imunidade, entre outros. Além disso, pode desencadear infecções de ouvido (otites médias por obstrução), distúrbios mais comuns em crianças.

Assim, o diagnóstico e tratamento da obstrução nasal é imprescindível. Caso haja indicação para correção cirúrgica, a rinoplastia associada a ressecção da hipertrofia dos cornetos permite restabelecer as funções do nariz e, ao mesmo tempo, deixá-lo mais bonito e harmônico em relação ao restante do rosto. Por isso, trata-se de uma associação que faz bem tanto para a saúde, como para a autoestima dos pacientes!

Caso precise investigar algum sintoma nasal ou apenas tenha vontade de melhorar a aparência do seu nariz, estou à disposição para conversarmos. Entre em contato e agende sua consulta, em Florianópolis!


Rinoplastia da columela em Florianópolis: como é a técnica?

Existem diversos tipos de cirurgias no nariz. A correção cirurgica da columela, por exemplo, é um subtipo de rinoplastia estética. A técnica é indicada quando é preciso alterar a fenda que separa as narinas — geralmente, em pacientes que apresentam essa estrutura retraída ou muito longa.

Neste artigo, explicamos porque essa condição acontece e como a rinoplastia pode ajudar. Além disso, veja onde realizar uma rinoplastia da columela em Florianópolis, SC.

Qual é a causa da columela retraída?

A columela é o tecido que divide as fossas nasais. Quando retraída, a fenda entre as narinas se encontra escondida. O desvio é notado, principalmente, quando a pessoa fica de perfil e deixa a aparência mais envelhecida.

A retração da columela pode ocorrer tanto em narizes primários (nunca submetidos à rinoplastia), por uma questão genética, como em narizes já operados, por conta de ressecções exageradas (da porção caudal da cartilagem do septo). Nesses casos, a correção é feita por meio de uma rinoplastia secundária.

Quando o procedimento é indicado?

Para determinar se o desvio realmente existe, eliminando a hipótese de apenas aparentar retração, devido a asas nasais protusas, os especialistas recorrem a um padrão pré-estabelecido de relação entre as margens alares e a columela. Para receber o diagnóstico de columela retraída, é preciso que dois terços posteriores da fenda não se projetem da maneira certa.

Outros especialistas definem como ideal a projeção da columela de 2 a 3 mm. Nesses casos, existe indicação para a rinoplastia.

Como é a rinoplastia da columela?

Para realizar a cirurgia plástica da columela é preciso recorrer muitas vezes à rinoplastia estruturada. Esse tipo de abordagem contribui para o fortalecimento da região operada, prevenindo deformações ao longo do tempo.

Assim, uma incisão transcolumelar em “V” é feita no ângulo formado entre o nariz e o lábio superior, posicionado bem na base da columela. Em seguida, coloca-se o enxerto (geralmente, um retalho condro-mucopericondral do septo nasal), deixando a columela com a projeção adequada. Vale destacar que esse recurso proporciona resultados estáveis e bastante satisfatórios.

Como é o resultado do procedimento?

No pós-operatório imediato, é comum ter a impressão de hipercorreção. No entanto, com a diminuição do inchaço, a aparência da columela se normaliza, ficando bastante natural. Isso costuma ocorrer entre uma a duas semanas após o procedimento. Já em pacientes que, além da rinoplastia da columela, necessita-se também corrigir a ponta nasal, o edema demora mais tempo para desaparecer.

Em relação às ressecções realizadas para compor o enxerto usado na cirurgia, elas não provocam nenhum tipo de sequela (nem estática, nem dinâmica). Além disso, as cicatrizes deixadas (em “V”) são discretas, com excelente aspecto estético.

Mas em pacientes com columelas retraídas e curtas, a cicatriz  têm que ficar mais  próxima  do labio superior. Dessa maneira, é possível alongar a columela, deixando o resultado o mais natural possível.

A cirurgia pode ser associada a outras técnicas?

Com certeza. Muitas vezes, uma rinoplastia estética (como é o caso da rinoplastia da columela) é feita em associação com outras técnicas, com o intuito de corrigir algum desvio na função nasal. Ela pode ser feita em conjunto, por exemplo:
  • com a septoplastia, quando é preciso tratar o desvio de septo;

  • com a cirurgia para hipertrofia dos cornetos, para tratar a obstrução nasal contínua;

  • com a cirurgia para rinossinusite, para restabelecer as funções dos seios paranasais e do aparelho mucociliar;

  • com a cirurgia de adenoide, também para tratar a obstrução nasal crônica;

  • com a polipectomia, para remoção de pólipos nasais, os quais dificultam ou até impedem a respiração nasal.

Onde realizar uma rinoplastia para correção da columela em Florianópolis?

Quem deseja fazer uma rinoplastia da columela em Florianópolis pode contar com a expertise e experiência do Dr. Fábio Zanini. Especialista em otorrinolaringologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-facial (ABORL) e membro da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face (ABCPF), ele é reconhecido por atender seus pacientes com toda atenção. Para melhorar, seu consultório fica no Baía Sul Medical Center, um complexo médico moderno e localizado em uma região de fácil acesso, bem no centro da ilha!

Agora você já sabe: caso queira conversar com um otorrinolaringologista especialista em rinoplastia, conte com o Dr. Zanini. Aproveite e agende uma consulta via WhatsApp para avaliação individual agora mesmo!


rinoplastia