Nariz entupido: conheça as causas e alivie o sintoma

Publicado em

Por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Um resfriado pode deixar o nariz entupido, mas graças ao sistema imunológico, o sintoma desaparece em alguns dias. Já uma obstrução nasal crônica é diferente. O distúrbio persiste por meses e, muitas vezes, provoca dores de cabeça, impede o sono reparador, entre outros incômodos. Nesses casos, para conseguir respirar melhor é preciso diagnosticar a origem do problema e tratá-la adequadamente — algumas vezes, por meio de uma cirurgia.

Neste artigo, mostramos as causas mais comuns para o nariz entupido. Continue a leitura e veja como aliviá-lo!

Quais são as possíveis causas do nariz entupido?

O nariz entupido não é uma doença, mas uma manifestação presente em diversas afecções do sistema respiratório superior. Na maioria das vezes, ocorre por causa de viroses respiratórias (gripes, resfriados ou rinite alérgica) ou reações alérgicas, podendo estar, ou não, acompanhado de coriza.

Aliás, ao contrário do que muita gente pensa, o muco não é a causa da obstrução. O que impede a passagem do ar pelas cavidades nasais é o edema das mucosas, devido à inflamação.

Assim, quando a obstrução nasal é contínua, são causas possíveis:

  • desvio de septo, problema que costuma ter origem em traumas na região do nariz, geralmente sofridos na infância;

  • sinusite ou rinossinusite crônica, doença desencadeada por um processo inflamatório que atinge a mucosa rinossinusal, cuja origem é multifatorial;

  • hipertrofia dos cornetos inferiores ou das conchas nasais, estruturas ósseas revestidas pelas mucosas nasais, inflamadas por conta de rinites;

  • adenoide volumosa ou carne esponjosa, órgão ligado ao sistema imunológico, situado atrás das cavidades nasais, cujo aumento é prevalente em crianças; pólipos nasais, tumores (benignos ou malignos) que obstruem a passagem de ar.

Para diagnosticar essas e outras possíveis origens para a obstrução nasal, o otorrinolaringologista:

  • analisa o histórico do paciente;

  • checa se existem comorbidades (doenças crônicas, sistêmicas ou imunodeficiências);

  • realiza exames clínicos;

  • solicita exames complementares (como tomografia e endoscopia nasossinusal).

Quais são as consequências da obstrução nasal crônica?

O nariz entupido não é apenas desagradável. Quando o sintoma é prolongado, há uma série de consequências prejudiciais à saúde e à qualidade de vida. Sem a respiração nasal funcionando plenamente, a pessoa:

  • fica com a voz anasalada;

  • dorme mal, ronca e tem apneia;

  • não consegue manter a atenção;

  • se torna mais estressada;

  • vive com cefaleia;

  • tem a capacidade olfativa alterada;

  • tem baixa imunidade; entre outros problemas.

Dependendo de quando a obstrução começou, até mesmo o desenvolvimento do crânio é comprometido. Isso implica na má formação das estruturas da face e no desalinhamento dentário.

Quais são os tratamentos para as causas do nariz entupido?

No caso do desvio de septo, o tratamento para recuperar a função respiratória é cirúrgico. Para acabar com os sintomas obstrutivos, deve-se realizar uma septoplastia ou rinosseptoplastia (cirurgia que combina técnicas voltadas à estética e à funcionalidade).

Quando se trata de uma rinossinusite crônica, o tratamento varia em função da origem da doença e do grau de agressividade. Ele pode ser feito com a administração de medicamentos ou, se não houver resposta aos fármacos, por meio da cirurgia endoscópica nasal. Trata-se de um tipo de vídeo-cirurgia minimamente invasiva, que restabelece a ventilação dos seios paranasais e do aparelho mucociliar, preservando a mucosa nasossinusal ao máximo.

O aumento da adenoide que não regride com fármacos deve passar por uma adenoidectomia (cirurgia de remoção da adenoide), a qual também pode ser realizada por vídeo-cirurgia, assim como a remoção dos pólipos nasais.

Todas essas cirurgias fazem parte das subespecialidades da rinoplastia funcional. Nesse tipo de procedimento, combinam-se duas ou mais técnicas para corrigir não apenas a parte funcional, mas também garantir a harmonia estética do nariz.

Como aliviar o sintoma de obstrução nasal?

A primeira medida é tentar eliminar os fatores de risco para a obstrução nasal. São eles:

  • ácaros (existentes na poeira);

  • fumaça de cigarro;

  • alimentos picantes;

  • odores fortes;

  • poluição excessiva;

  • ambientes muito secos (com ar-condicionado);

  • exposição a substâncias inalantes tóxicas;

  • banhos de piscina tratadas com cloro;

  • uso abusivo de descongestionante nasal; entre outros.

Feito isso, algumas medidas ajudam a promover o alívio, ainda que momentâneo, da congestão. O tratamento caseiro consiste em umedecer, lavar e diluir.

Na prática, é importante beber bastante água, fazer a lavagem nasal com solução salina (ou soro fisiológico) várias vezes ao dia e usar umidificadores ou nebulizadores no ambiente. Banhos quentes e demorados também ajudam, assim como dormir com travesseiros altos.

Mas essas dicas produzem um alívio apenas passageiro. Para resolver o problema da obstrução nasal crônica de forma permanente, consulte um médico.

O otorrinolaringologista especialista em rinoplastia pode diagnosticar e tratar o nariz entupido e patologias associadas adequadamente, melhorando a qualidade de vida do paciente. O melhor é que, ao mesmo tempo em que ele ataca a causa da obstrução sem afetar outras funções nasais, ele se preocupa que o resultado da intervenção seja discreto e harmônico.

Se você se interessa por novidades ligadas à saúde dos ouvidos, nariz e garganta, acompanhe nossas redes sociais. Siga-nos no Facebook e Instagram!

Material escrito por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Médico formado pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1999, fez sua especialização em Otorrinolaringologia pelo Hospital da Lagoa no Rio de Janeiro/RJ e Mestrado pela Santa de Misericórdia de São Paulo.

Assine nossa newsletter!