Rinoplastia estruturada: conheça as vantagens da técnica

Publicado em

Por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Se você está pensando em fazer uma cirurgia plástica no nariz e tem pesquisado sobre o assunto, pode ter se deparado com a rinoplastia estruturada. A técnica não é nova. Mas, dentre outros benefícios, chama a atenção por ajudar a conservar, ao máximo, o resultado da intervenção, ao longo do tempo — minimizando interferências que, em certos casos, podem alterar a aparência do nariz. Essas possíveis interferências vão desde a fisiologia do processo de cicatrização até o próprio envelhecimento.

Para entender como funciona a rinoplastia estruturada, bem como conhecer suas indicações e diferenciais, continue a leitura. Você verá que, em pacientes com quadros mais complexos, ela pode ser a melhor solução!

Em que consiste a rinoplastia estruturada?

A rinoplastia estruturada é uma técnica de cirurgia plástica em constante evolução. Ela foi desenvolvida nos Estados Unidos, nos anos 1990, e é considerada uma das melhores abordagens para rinoplastias complexas.

Seu intuito, além de esculpir a forma e otimizar as funções do nariz, é fortalecer sua estrutura. Dessa forma, há uma prolongação do resultado. Ou seja, a rinoplastia estruturada faz com que a aparência obtida por meio do procedimento cirúrgico seja mais duradoura.

O que diferencia a técnica estruturada da redutora?

Assim como a rinoplastia convencional (redutora, técnica mais comum), a rinoplastia estruturada pode ser feita em procedimentos primários ou secundários. Inclusive, sejam eles estéticos e/ou funcionais.

Acontece que, na abordagem reducionista, a remodelação do nariz é feita por meio de ressecções osteocartilaginosas (retirada de partes dos ossos e das cartilagens) e estreitamento da base óssea. Mas a longo prazo, a retração cicatricial e a falta de suporte na estrutura nasal podem comprometer os resultados cirúrgicos.

Já na rinoplastia estruturada, após a remodelação do nariz há mais uma etapa. Trata-se da colocação de pontos de fixação, além de enxertos de cartilagem extraídos do corpo do próprio paciente (geralmente, do septo, das orelhas ou das costelas).

A rinoplastia estruturada é melhor do que as demais técnicas?

Na prática, a escolha da melhor técnica depende de um plano pré-operatório bem traçado. A rinoplastia redutora é perfeita para pacientes com cartilagens de boa qualidade, com capacidade de sustentação e que não necessitem de muitos enxertos.

Já a rinoplastia estruturada é mais indicada quando há mudanças complexas. Por exemplo, em pacientes vítimas de traumas, que necessitam de mais enxertos e reforços na ponta nasal.

Quais são os principais benefícios da rinoplastia estruturada?

A rinoplastia estruturada ajuda a fortalecer o esqueleto nasal após a remoção dos ossos e cartilagens, necessária para a sua remodelação. Isso é importante para evitar distorções indesejadas na forma do nariz.

Essas alterações podem ser decorrentes de diversos fatores, não apenas traumas. Por exemplo:

  • o tecido cicatricial, formado em volta das cartilagens, pode mudá-las de posição;
  • os movimentos da respiração podem interferir no posicionamento das cartilagens;
  • o próprio envelhecimento, ao diminuir a resistência das cartilagens e a sustentação da pele, também pode alterar o resultado da cirurgia.

Assim, em determinados casos a abordagem da cirurgia redutora acaba por enfraquecer a estrutura nasal, deixando-a mais propensa a sofrer com essas interferências. Por outro lado, a técnica usada na rinoplastia estruturada ajuda a prevenir deformações estéticas ao longo do tempo.

Mas atenção: essa técnica não dispensa os cuidados pós-cirúrgicos. Uma conduta cuidadosa por parte do paciente também é essencial para o sucesso do resultado cirúrgico, prevenindo, por exemplo, complicações cicatriciais.

A rinoplastia estruturada pode ser associada à outras técnicas?

Se o objetivo for corrigir não apenas a parte estética, mas também aprimorar a função nasal, a rinoplastia estruturada pode, sim, ser combinada a outras técnicas. De acordo com as necessidades de cada paciente, é possível fazer diferentes associações.

Veja alguns exemplos.

Rinoplastia estruturada associada à septoplastia

O desvio de septo é uma deformidade na estrutura de separa as fossas nasais, formada por osso e cartilagem. O problema é causado por microtraumas sofridos no nariz, que podem ocorrer desde a vida intrauterina até a idade adulta. Quando o desvio septal gera obstrução nasal crônica, prejudicando a saúde e a qualidade de vida do paciente, indica-se a realização da septoplastia.

Rinoplastia estruturada associada à cirurgia para hipertrofia dos cornetos

A hipertrofia dos cornetos, mais conhecida como carne esponjosa, consiste no aumento das conchas nasais (estruturas ósseas cobertas por mucosas) devido à inflamação (geralmente, por causa de rinites). Quando o problema gera a sensação de entupimento nasal contínuo, recomenda-se o tratamento via cirurgia endoscópica.

Rinoplastia estruturada associada à cirurgia para rinossinusite crônica

rinossinusite crônica é uma inflamação que acomete a região do nariz e dos seios da face e dura mais de 12 semanas sem remissão dos sintomas. O problema gera dores (ou sensação de pressão) no rosto, que variam de leve a intensa.

Quando os sintomas não respondem ao tratamento farmacológico, existe a indicação para a cirurgia endoscópica nasal. A técnica (minimamente invasiva) reestabelece as funções dos seios paranasais e do aparelho mucociliar.

Rinoplastia estruturada associada à adenoidectomia

O aumento da adenoide (órgão ligado ao sistema imunológico, situado atrás das cavidades nasais) também pode levar à obstrução nasal crônica. A adenoidectomia é indicada em adultos quando o problema não melhora com medicação.

Rinoplastia estruturada associada à polipectomia

Pólipos nasais são tumores benignos, mas que podem dificultar ou até impedir a passagem do ar pelo nariz. Se os pólipos não reduzirem com medicação e os sintomas obstrutivos continuarem, recomenda-se sua remoção por meio da polipectomia, geralmente realizada por via endoscópica.

Por que é importante contar com um especialista?

Contar com um especialista em rinoplastia é imprescindível para ter acesso à estratégia cirúrgica mais indicada para o seu caso. Isso porque uma intervenção no nariz — local tão visível e importante — não pode deixar a desejar.

Profissionais não especializados, mesmo que sejam médicos, não são capacitados para realizar uma cirurgia tão complexa. A rinoplastia, vale destacar, é reconhecida como um dos procedimentos mais desafiadores da cirurgia plástica.

Para obter um diagnóstico preciso, bem como definir a melhor técnica para o seu caso, consulte um otorrinolaringologista especializado em rinoplastia. De preferência, que seja membro da Associação Brasileira de Cirurgia Plástica da Face (ABCPF).

Assim, pode-se dizer que a rinoplastia estruturada é fruto da evolução pela qual as técnicas cirúrgicas vêm passando. Ao olhar de forma retrospectiva para os pacientes, estudos comprovam sua eficácia tanto estética como reparadora. Porém, ela não substitui nem invalida a rinoplastia redutora. Cada técnica tem sua aplicação e cabe ao especialista fazer a melhor indicação!

Quer saber mais? Então, agende uma consulta e faça uma avaliação individual!

Material escrito por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Médico formado pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1999, fez sua especialização em Otorrinolaringologia pelo Hospital da Lagoa no Rio de Janeiro/RJ e Mestrado pela Santa de Misericórdia de São Paulo.

Assine nossa newsletter!