Tudo o que você precisa saber sobre a rinoplastia

Publicado em

Por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Independentemente do motivo — funcional ou estético — que leve uma pessoa a fazer uma rinoplastia, esse é o tipo de decisão que transforma sua vida. Mas, por maior que seja a ansiedade de chegar ao resultado almejado, é importante estar preparada  para cada etapa de uma cirurgia plástica no nariz: pré-operatório, cirurgia e pós-operatório. 

Isso não só aumenta o comprometimento com a própria saúde, como torna toda a experiência muito mais bacana!

Para facilitar, elaboramos este conteúdo completo sobre rinoplastia. Feito sob supervisão do Dr. Fábio Zanini, otorrinolaringologista membro da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face, você verá o que é preciso para ter um procedimento bem-sucedido!

Dados recentes sobre a rinoplastia

O relatório mais recente da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS) estima que, em 2017, foram feitas 4.189.830 intervenções estéticas na face e cabeça. Entre elas, a rinoplastia foi o segundo procedimento mais realizado no mundo, atrás da blefaroplastia (cirurgia das pálpebras). 

 O Brasil é o país onde a rinoplastia é mais realizada. Em seguida, vêm o México, Estados Unidos, Japão, Itália, Colômbia e Tailândia. No Brasil, das 511.390 cirurgias realizadas na face e na cabeça, a rinoplastia (com 74.890 casos) ficou em terceiro lugar.

Já em relação à procura, a rinoplastia foi o procedimento cirúrgico que mais teve aumento (11%) em todo o mundo. Isso, considerando as técnicas realizadas na face e na cabeça e comparando os dados de 2017 e 2016.

Por fim, vale destacar que a maioria dos pacientes que faz o procedimento, considerando todo o mundo, é mulher (74,6%). A faixa etária predominante vai de 19 a 34 anos de idade (62,7%), seguida por pessoas entre 35 e 50 anos (23,5%).

Qual é o objetivo da rinoplastia?

A rinoplastia busca corrigir defeitos nasais estéticos ou funcionais. Seu objetivo é harmonizar o formato e o tamanho do nariz ao rosto do paciente, considerando sua etnia e características dos olhos, testa, boca e queixo.

Ao mesmo tempo, deve manter ou melhorar a integridade das funções nasais, como a respiração, a filtração, a umidificação e o aquecimento do ar inalado. Isso além de preservar olfato e, ainda, a ressonância da voz.

A falta de proporção e a assimetria facial são indicativos de potenciais candidatos a cirurgias plásticas no nariz. De maneira geral, o procedimento é capaz de:

  • alterar a largura do dorso;
  • esculpir o perfil do nariz;
  • diminuir narinas muito grandes;
  • corrigir assimetrias e desvios;
  • melhorar a ponta nasal, seja ela caída ou muito arrebitada, etc.

Vale destacar que, quanto mais proporcional o nariz ficar, mais natural será o resultado. Com isso, evita-se o indesejado aspecto de “nariz de plástica”.

Quais são os tipos de rinoplastias?

Existem 5 tipos de rinoplastias: estética, funcional, étnica, secundária e pós-traumática ou reconstrutiva. A partir dos 2 tipos principais (estética e funcional) há subtipos, que variam conforme as técnicas empregadas. Por exemplo:

  • rinoplastia estética redutora, de aumento, do dorso nasal, da columela (fenda que separa as narinas) etc;
  • rinoplastia funcional associada à septoplastia; à correção da carne esponjosa (hipertrofia dos cornetos), entre outras.

Antes da rinoplastia

A busca pela rinoplastia parte, na maioria das vezes, da vontade do paciente em resolver um problema estético, relacionado ao seu tipo de nariz. Ele pode ser:

  • fino e arrebitado;
  • curto (comum em asiáticos);
  • negroide (com as asas mais alargadas);
  • caucasiano (com a giba protuberante);
  • adunco (com a ponta projetada para baixo).

quais-sao-os-tipos-de-nariz-

Outra possibilidade é a indicação médica, por conta de algum distúrbio funcional. Essa pode ser genética, ocasionada por lesão ou decorrente de uma cirurgia anterior insatisfatória.

Mas, independentemente da motivação, a realização do procedimento depende da avaliação médica. A rinoplastia somente é feita quando cirurgião e paciente estão de acordo.

Ser fisicamente ativo, comer de maneira saudável, não fumar e ter uma expectativa realista em relação à cirurgia contam pontos a favor do paciente. Esses critérios, apesar de indiretos, são levados em consideração pelos médicos para decidirem se devem ou não operá-lo.

Já a idade mínima para se submeter à cirurgia plástica no nariz varia de acordo com o objetivo. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), é preciso que o crescimento facial tenha parado e que o paciente tenha, no mínimo, 13 anos, mas em geral a cirurgia pode ser indicada aos 15 anos em mulheres e entre 16 e 17 anos em homens. No entanto, apenas a avaliação médica individualizada poderá confirmar a viabilidade da cirurgia.

Como é a consulta?

A rinoplastia pode ser realizada  por otorrinolaringologistas ou cirurgiões plásticos. Durante a consulta, os médicos levantam o histórico pessoal e clínico do paciente. Por isso, os questionam sobre:

  • o motivo pelo qual deseja fazer a cirurgia;
  • as expectativas em relação ao resultado;
  • as condições médicas (tratamentos atuais e anteriores, alergias, etc);
  • o uso de medicações (naturais ou alopáticas) e de vitaminas;
  • os hábitos (como consumo de álcool, cigarro e drogas ilícitas);
  • cirurgias prévias e como foram os respectivos pós-operatórios;
  • doenças crônicas e demais fatores de risco existentes na família.

 

Como são os exames?

Passada a análise inicial, o médico realiza alguns exames clínicos, inspecionando o interior do nariz com um endoscópio, e solicita exames laboratoriais (hemograma completo, coagulograma, entre outros, conforme o caso). Assim, pode avaliar o estado do paciente, bem como saber se há problemas de saúde pré-existentes.

Ele também anota as medidas do rosto e tira fotografias (frontais, de perfil e da base nasal) para colocar no prontuário. Esses registros são importantes, pois permitem ao paciente apontar o que o incomoda e, ao cirurgião, explicar as reais possibilidades.

Afinal, podem existir fatores limitantes. Por exemplo: quando há uma assimetria muito acentuada entre os dois lados do rosto, é impossível corrigir, totalmente, a laterorrinia (nariz torto). Tudo isso deve ser explicado nas consultas.

Como encontrar um bom cirurgião?

Mesmo que tenha indicação de conhecidos, cheque a especialização e as afiliações do cirurgião. Ser associado à Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face (ABCPF), por exemplo, garante que ele atua na área da rinoplastia, se mantém atualizado, atua em instalações médicas autorizadas pela Vigilância Sanitária e está submetido a um código de ética.

Além disso, veja qual é o seu tempo de experiência e procure ouvir relatos de outros pacientes. Por fim, considere sua sinceridade: um bom cirurgião deve conversar não apenas sobre os benefícios do procedimento, mas também sobre possíveis complicações.

O Dr. Fábio Zanini explica que, por melhores que sejam as condições, todo ato cirúrgico envolve riscos. “Pode-se minimizá-los por meio de uma preparação conveniente, mas eliminá-los, completamente, não é possível”, salienta.

É permitido fazer perguntas?

Perguntar não só é permitido, como é algo estimulado pelos médicos! É natural sentir ansiedade e eles sabem disso. Por isso, não tenha vergonha e tire todas as suas dúvidas. Vale a pena, inclusive, levá-las anotadas! Confira algumas das perguntas mais comuns e que você também pode levar à sua primeira consulta:

Não esqueça de perguntar, também, sobre a recuperação. Afinal, é importante se preparar com antecedência. Por exemplo:

Como são os cuidados pré-operatórios?

Após passar pelas avaliações médicas, tanto do cirurgião,  quanto de um anestesista, pode-se notar a necessidade de tomar algum medicamento. Já quem faz uso contínuo de alguma medicação, por outro lado, pode ter que ajustar as doses.

Alguns dias antes, recomenda-se evitar anti-inflamatórios, aspirinas, AAS e remédios naturais, para não aumentar o sangramento. O consumo de bebidas alcoólicas também é contraindicado, assim como cigarros.

Já no pré-operatório imediato, deve-se fazer jejum de 8 horas para alimentos e líquidos (incluindo água). E antes de ir para o hospital (sempre com um acompanhante), certifique-se que pegou todos os exames e avaliações médicas.

 

Durante a rinoplastia

As técnicas utilizadas na cirurgia plástica no nariz variam de acordo com as necessidades do paciente. Em uma rinoplastia primária, as incisões podem ser intercartilaginosas, transcartilaginosas, marginais ou transcolumeares. Cabe ao médico avaliar as opções e recomendar a mais adequada.

De maneira geral, a cirurgia plástica no nariz é feita em 6 etapas. São elas:

  1. Anestesia, a qual pode ser local, com o paciente parcialmente consciente, ou geral, com o indivíduo inconsciente e conectado a um respirador mecânico;
  2. Incisão, feita no interior do nariz, no caso da rinoplastia fechada, ou na columela, quando se trata de uma rinoplastia aberta;
  3. Remodelação, seja para redução ou para aumento (nesse caso, com cartilagem enxertada, removida de outras áreas do corpo);
  4. Correção funcional, como alinhamento do desvio de septo, para melhorar a respiração;
  5. Fechamento da incisão;
  6. Colocação do curativo, para dar sustentação ao nariz nos primeiros dias.

Depois da rinoplastia

Algumas horas depois da cirurgia já é possível se levantar e dar uns passos, com ajuda. O nariz estará com uma tala e alguns curativos, por conta de um pequeno sangramento.

No pós-operatório imediato é normal ter inchaços e manchas arroxeadas na área do nariz e pálpebras. Uma pequena dificuldade respiratória também pode ser sentida.

Como são as cicatrizes?

A rinoplastia fechada não deixa cicatrizes visíveis. Muitos narizes permitem esse tipo de intervenção, cujo corte fica escondido dentro da cavidade nasal.

Quando a rinoplastia é aberta, cria-se uma pequena cicatriz (geralmente, nas asas nasais ou na columela). Essa via de acesso é indicada quando há bulbosidade ou projeção acentuadas, deformidades congênitas, assimetrias de ponta, alterações importantes do dorso nasal, entre outras situações.

Na grande maioria dos pacientes que se submetem à rinoplastia aberta, a cicatriz se torna quase imperceptível. Alguns, no entanto, podem ter tendência à cicatrização inestética.

Quais são as recomendações pós-operatórias?

As orientações pós-operatórias são diversas. Deve-se tomar a medicação indicada e fazer compressas geladas sobre o nariz e os olhos. Pode-se, também, fazer algumas sessões de drenagem linfática manual. Além de amenizar o edema, a técnica alivia dores e ajuda na microcirculação sanguínea da região operada.

É importante evitar a exposição direta ao sol por, pelo menos, 3 meses. Evite, também, tomar vento e friagem. E não use óculos até que o médico permita.

O tampão externo (curativo) deve ser trocado sempre que necessário. Porém, tome cuidado para não mexer no imobilizador interno (se houver).

Também é preciso comparecer às consultas de retorno, cuja frequência varia caso a caso. São nelas que o médico avalia a cicatrização, tira os curativos (em média, após 10 dias) e, se preciso, ensina como usar as bandagens adesivas (geralmente, por mais uma semana).

Confira todas as indicações para o pós-operatório da rinoplastia em um e-book gratuito do Dr. Fábio Zanini: Baixar grátis

Quando é possível ver o resultado final?

O processo de recuperação é lento e gradual. Em 15 dias a maioria dos pacientes já apresenta uma aparência satisfatória, apesar de o nariz ainda estar inchado. Mas o resultado da rinoplastia só é avaliado após o primeiro ano.

Os cuidados no pós-operatório contam pontos a favor de um resultado satisfatório. Por isso, nada de fazer esforços físicos que comprometam a cicatrização das incisões.

Em alguns casos, a  rinoplastia pode necessitar de algum retoque. Nesses casos, indicam-se rinoplastias secundárias, consideradas cirurgias corretivas de menor porte..

Agora que você está munido dessas informações, a decisão sobre fazer ou não uma cirurgia plástica no nariz se torna bem mais consciente. Afinal, por mais seguro que seja, todo procedimento traz riscos. Cabe a cada um refletir se os mesmos são aceitáveis, tendo em mente os benefícios, e procurar um cirurgião de confiança para realizar a tão sonhada rinoplastia!

Se desejar, envie suas dúvidas sobre rinoplastia, agende uma consulta em Florianópolis com o Dr. Fábio Zanini, via e-mail ou WhatsApp. Teremos o prazer em ajudar!

Material escrito por: Dr. Fábio Zanini - CRM/SC 8373 | RQE 3904

Médico formado pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1999, fez sua especialização em Otorrinolaringologia pelo Hospital da Lagoa no Rio de Janeiro/RJ e Mestrado pela Santa de Misericórdia de São Paulo.

Assine nossa newsletter!


Fábio Zanini - Doctoralia.com.br